sexta-feira, julho 28, 2006

E os eleitos são...


Austria de Viena...

1...2... toma lá 3 outra vez


Estes jogos que são para moralizar mas saem ao contrário têm muito que se lhe diga...

Tenda armada, de um lado grandes contratações, equipa já em rodagem para a Liga milionária (pré-eliminatória), mais três semanas de trabalho, acabados de vencer o Bordéus e com a pica toda.
Do outro os pobrezitos, com nove dias de treino, um jogo contra o Real Massamá, um dos reforços lesionados, o Guarda Redes (sim porque o Sporting só tem um) de férias e um monte de putos metidos ali na fogueira.
Criadas as bases para a festa vermelha, eis que sai tudo ao contrário, os de verde correram sempre mais, trocaram sempre a bola, mostraram o mínimo de entrosamento, apareceu mais um terrorista da academia, e vai daí toma lá mais três.

Ao contrário daquilo que os amigos lampinhos da SIC quiseram fazer passar, não me pareceu que fosse uma questão do Sporting correr assim tanto, ou ter jogado assim tão bem, a imagem que fica é que este SLB está amorfo, não tem fio de jogo, ninguém percebe as suas funções dentro de campo e acima de tudo falta Simão, como tal, fé no principe maestro e pontapé para a frente.
Excelente esse artista chamado Paulo Jorge que veio do boabosta para se juntar ao Petit, assim este último já não se sentirá tão sozinho, expulso contra o Bordéus, hoje o Lucilio amigo da Vitória perdoou aquele cartão que daria mais um joguito de castigo, porrada no Depenator mergulhador até fartar, sem que haja punição, afinal aquele gajo merece por andar sempre a marcar golos à Instituição, que falta de respeito...

Jogos amigáveis valem o que valem, mas este benfica de hoje, para mim que tenho experiência bem azeda do Santinho Timex, lembrou-me tempos não muito longíquos só que ao contrário.
Venha de lá esse Fonseca para meter garra naquilo, porque este slb já tem o estilo do seu treinador, amorfo e conformado...

quinta-feira, julho 27, 2006

Simão, Fonseca e os 20 milhões

Simão pode não valer 20 milhões de euros. Fonseca pode valer mais de 2 milhões de euros. Mas a verdade é impossível de desfazer: no primeiro caso, os 20 milhões não entram nos cofres do Benfica - ou já entraram, o que é mais provável, ou vão direitinhos para credores que avaliaram Simão em 20 milhões e aceitaram o seu passe como garantia, o que acaba por dar no mesmo -, no segundo caso é mais um bom negócio perpetuado por José Veiga, que contra ventos, marés e tempestades lá vai levando a água ao seu moínho...

domingo, julho 23, 2006

Sporting Clube do Cacá

A este clube que acaba de completar a bonita idade de 100 anos, deveria aproveitar-se agora para mudar o nome para Sporting do Cacá, ou Clube de amigos do Cacá e Oligarquia.


Dizia o Sr. Presidente Filipe Soares Franco, levando a carneirada toda atrás para as urnas de voto e consequente urna funerária do clube, que agora com a venda de património é que ia ser bom, ia construir uma equipa de nível europeu...


Mas afinal que vemos nós?

É preciso lembrar que esta faceta actual do SCP, por muito que nos desagrade voltar a ouvir falar do assunto, não pode ser desinserida da gestão danosa da camarilha que nos pôs nesta situação e a quem tão "sabiamente" os sócios deram mais um mandato para poder acabar a obra iniciada, liderada por um verdadeiro aldrabão que ainda há uns meses nos prometia uma equipa de sonho mas que não consegue fazer mais do que qualquer clube do fundo da tabela do futebol nacional - contratar atletas a custo zero, em fase descendente ou em litígio com alguém (Moisés é o mais recente caso no bornal do "virtuoso" mão-de-gelatina)

E o verdadeiro golpe de estado mandado por Cacá e seus acólitos, minando por fora ele mesmo e o Senhor Pedro Croissant, que saíu a dizer cobras e lagartos do clube e agora volta qual D. Sebastião, apresentado como director para o futebol, sem que sequer se desse ao luxo de fazer a barba e usar uma gravata no dia da sua apresentação.

Sá Pinto, o coração de Leão, ainda queria fazer mais uma época, o pobre, esqueceu que Roma não paga a traidores, isto de ser desalinhado no SCP nos tempos que correm não é boa ideia, devia ter percebido bem depois do exemplo de Beto que seria mesmo tiro no pé.

Por outro lado, eis o nosso meritório e grande capitão, um gajo que com a vinda de Carlos Paredes dificilmente sequer será titular, mas existe grande divída para com ele, foi peça chave no caír de Peseiro. Alguém sabe porque Beto lhe deu um "arrebite" que o deixou a oxigénio?
Eu conto, certo treino em que ninguém parecia empenhar-se, Beto como Capitão teve a infeliz ideia de começar a mandar toda a gente mexer, este senhor aí da fotografia virou-se para ele e disse-lhe: "Tu cala-te que aqui não mandas nada, quem manda é o Pedro Barbosa", estranho no mínimo, já que Barbosa não pertencia ao plantel desde o ínicio da época.

Podia ainda falar noutra erva daninha chamada Hugo, que teve como paga ser reintegrado em Janeiro e agora ir para Setúbal em vez de um clube mais pequeno, com Peseiro, apesar de afastado, recusou sempre ser emprestado ou rescindir, mas agora e curiosamente, foi-se embora sem levantar ondas.

Oferta de 7 milhões por Douala, negócio quase concluído, Peseiro a poucas horas do jogo com a Udinese é avisado para não usar o jogador, telefonema de Cacá para o jogador, não saias, isto vai mudar, ele recusou, esta época, nem fosse a oferta inferior em mais de 50% o que já era de si patético, ainda se conseguiu abortar o negócio e ficar com o "mono", mas não há problema, afinal aliena-se património e continua tudo bem na construção de uma equipa de sonho.

Farnerud, Paredes e Moisés, eis os grandes craques que se preparam para conquistar a Europa, mas, que pena, mais uma das costumeiras e vezeiras negociatas de Cacá e seus jogadores em litigio poderão fazer com que o último fique suspenso pela FIFA de dois a quatro meses, mas não faz mal, esta equipa é de sonho.
Afinal nem são precisos Tristan nem Caneira, fica tudo como está, mais dois médios centro para juntar a Moutinho, João Alves, Carlos Martins, Custódio e Nani, ou seja seis médios centro, porque isso de jogar com extremos é para quem não percebe nada de futebol...
O central se for suspenso, remedeia-se com Miguel Veloso, manda-se mais um às feras porque isto de integrar jovens na equipa sem eira nem beira é a melhor maneira de os fazer crescer.

E sobretudo esta blindagem de sonho, Pipinho o representante do BES, Cacá o representante dele próprio, o gajo que escrevia sobre pesca desportiva no jornal O Jogo e chorava com as derrotas do seu Fequêpê, chegando a baldar-se às aulas nas Segundas Feiras seguintes...
Barbosa o amigo de Cacá, Paulo Bento o treinador sem curso também amigo dos dois anteriores e Custódio, esse clone de Judas que tanto ajudou na queda do império anterior...

Deixai a bola que não entra bater no poste, o defesa que não tem qualidade marcar um autogolo, o mija na escada chegar a Alvalade e espetar três ou quatro no Dream Team, deixai as comadres zangarem-se porque é inevitável e então, talvez então, tenhamos hipótese, os proscritos como eu e muitos outros, de finalmente ir lá votar uma direcção competente para o SPORTING CLUBE DE PORTUGAL, porque isto que existe no momento, não é esse clube definitivamente.

Agora carneirada, que lógicamente ainda nem conseguiram reparar na realidade aqui apresentada, podem vir malhar na minha pessoa à vontade, chamar-me nomes, lampião e outras coisas que tais...

Este é o VOSSO clube, aquilo que vocês deixaram que fizessem dele, mais tarde ou mais cedo, será connvosco que irei acertar contas...

Vai ser uma época de tragicomédia, pena que a minha vontade de rir seja pouca...

Há uma semana que já se trabalha em Alvalade e para além do novo avançado continuar a ser miragem, ainda há que contar com os novos reforços que podem ser impedidos de jogar...

P.S- Já me esquecia, lembram-se de um jogador chamado Tinga? Vendido ao Internacional por 300 mil Euros? Acaba de ir para a Alemanha por 3 Milhões, isto de colocar jogadores em litigio transitando por Alvalade e recolher as comissões mais tarde é uma arte ao alcance de poucos, foi pena Enakarire, é que ainda estamos a arder com 2 milhões, mas não faz mal, aliena-se o património...

P.P.S- Gravação do novo anúncio para promoção das Gameboxes, pedido a todos os sócios e adeptos para irem ajudar como figurantes nas filmagens, mesmo assim, contrataram-se figurantes, pagos, a agências, quanto custou isto e para quê? E toda a gente que lá foi e nem sequer aparece? Eram todos muito feios? Gastem dinheiro nessas merdas, afinal não há problema, ainda há património para vender...

sexta-feira, julho 21, 2006

Podre de bom

Os testes já demonstraram que está podre, dentro de um mês se saberá se algum dia poderá ser bom. Mais uma vez, obrigadinho, Arabella.

quinta-feira, julho 20, 2006

BnRB Shop [03]

Image Hosted by ImageShack.us

O BnR B feito pelos seus leitores

O que fazer a McCarthy?
Deve ser esta a questão que preocupa os dirigentes do FCP.

Ontem tive de passar uma vista de olhos pelo relatório de contas do FCP, para esclarecer uma dúvida, e voltei a bater com os olhos em 2 ou 3 pontos interessantes que na altura me chamaram a atenção mas aos quais não dei o devido “tratamento”

A última comunicação diz respeito ao penúltimo trimestre da época passada, com o ano fiscal do FCP a terminar em 30 de Junho.

Nesse trimestre, o FCP conseguiu a “proeza” de baixar os seus custos com o pessoal em mais de 25% e ainda assim terminar o trimestre com um resultado negativo de 17,5 m€.

Como nota, o relatório refere que, sendo um trimestre intercalar, não se pode fazer grandes conjunturas sobre o resultado final do exercício, diz o relatório de contas do trimestre:

“As contas a apresentar a 30 de Junho de 2006 poderão ser influenciadas pelas mais-valias de transferências de jogadores a concretizar no último trimestre, variável que tradicionalmente tem um impacto económico e financeiro significativo.”

Ora, embora as contas ainda não tenham sido apresentadas, pode-se facilmente especular e antecipar algumas coisas.

Em primeiro lugar, a ausência de vendas do FCP neste ano. Algo que deve ser preocupante, uma vez que é assumido pela própria SAD que “as mais-valias resultantes da venda dos direitos desportivos de jogadores têm representado uma parte substancial dos proveitos da FC Porto, SAD e, numa perspectiva mais ampla, de muitas sociedades deste sector de actividade que assim equilibram os seus resultados de exploração.”

Dos jogadores que saíram após a apresentação do último relatório conhecido, ou seja, no último trimestre do ano fiscal passado, há a registar Diego (6 milhões), Sonkaya (custou 1,5 milhões e agora foi emprestado à Académica), Hugo Almeida (emprestado ao Werder Bremen), Ivanildo (Emprestado à U. Leiria), César Peixoto (emprestado ao Celta de Vigo) e mais uns tantos empréstimos (Paulo Machado, Bruno Vale, Maciel, Areias, Hélder Barbosa e Postiga)

Ou seja, 6 milhões pela venda de Diego foi a única verba significativa realizada, muito pouco atendendo ao valor obtido no ano passado – “No exercício 2004/5, os proveitos decorrentes desta actividade, ou seja, as mais-valias líquidas que resultam de transferências (ao valor da venda têm de ser subtraídos os custos inerentes a cada negócio e o valor residual desses activos) somaram 31,2M€, ou seja, 40% dos proveitos operacionais do período. Estão aqui contabilizadas as transferências dos jogadores Pedro Mendes, Derlei, Carlos Alberto, Costinha, Maniche, Seitaridis e outros com menor expressão.”

É fácil concluir, igualmente, que os 6 milhões obtidos pela venda do Diego tenham sido em parte canalizados para as aquisições entretanto já firmadas este ano. João Paulo (U. Leiria), Diogo Valente (Boavista), Ezequias (Académica) e Sektioui (AZ Alkmaar), mas agora, para dar a prenda final pedida por Adriaanse, as coisas estão mais complicadas.

Ou seja, do plantel que se mantém, o FC Porto não têm muitos activos que lhe permitam equilibrar os seus resultados, Ricardo Costa (falou-se em 5 milhões para França), Lucho, Quaresma e McCarthy (fala-se hoje em 5 milhões para Inglaterra, mas o seu empresário já veio dizer que o contrato é para cumprir até ao fim, não admira sendo o último ano de contrato de McCarthy com o FC Porto)

Estamos então numa encruzilhada?

Eu acredito sinceramente que sim.

No ano passado (época 2004/2005) o resultado consolidado deu-nos um valor negativo de -2 milhões de euros (quase na totalidade gerado pela SAD), em contraste com o resultado positivo (anormal) obtido em 2003/2004 de 24,8 milhões (face ao efeito Mourinho e desmantelamento da equipa campeã da Europa), antes em 2002/2003 o resultado final do exercício tinha sido uns respeitáveis – 18,1 milhões de euros negativos, na minha opinião no ano passado só não atingiu valores próximos deste muito por culpa dos 31,2 milhões de euros que o FCP realizou em valias líquidas de transferências de jogadores (como está referido anteriormente), agora neste ano, tendo em conta o resultado do penúltimo trimestre que já atingia 17,48 milhões de euros negativos, a não venda de qualquer activo significativo, excepto Diego, e a não perspectiva de venda de mais nenhum jogador (Ricardo Costa e McCarthy seriam provavelmente os únicos de que Adriaanse estaria disposto a abdicar, mas o segundo já veio dizer que não sai), pode concluir-se que este ano 2006/2007 será fulcral para as finanças do FCP.

Uma boa participação na Liga dos Campeões é essencial, assim como a quase obrigatoriedade em antecipar receitas ou proceder a aumentos de capital.

Em Março já celebraram um contrato com a TBZ com duração de 10 anos e com receitas mínimas de 1,35 milhões/ano, há pouco mais de uma semana anunciaram o novo cartão de sócio, numa clara colagem à iniciativa do Benfica e procurando captar mais associados. Será que chega? Julgo que não.

Uma hipotética má época do FCP neste ano coloca em causa o actual plantel, e a permanência das duas jóias da coroa Lucho e Quaresma, uma vez que não há mais nenhum jogador capaz de, por si só, gerar verbas significativas, e atenção que Lucho não é detido a 100% pelo FCP.

Cumprimentos,
Rui Horta

BnRB Shop [02]

Image Hosted by ImageShack.us

O Processo nº 51

Ele há coisas que não lembram a ninguém!
São cada vez mais os casos em que profissionais do Direito, que colaboram na área do Desporto, mais concretamente no Futebol, que se sujam. A eles e aos órgãos que representam.
Um dos argumentos, de facto, apresentado pelo conselho de justiça da fpf para arquivar o castigo ao Nuno Assis é no mínimo, caricata. Vergonhosa, até! Com base nesse argumento, torna-se mais fácil dopar-se e mais difícil penalizar.
O que parece ser incontestável, é que havia substâncias dopantes no organismo do Assis e que as INSTITUIÇÕES que procederam à recolha e análise da amostra fizeram bem o seu trabalho, como sempre aliás, ao contrário do que o PATETA-MÔR E SEU BOBO vinham dizendo.
Nestes casos, como outros e noutras áreas, em que está envolvido organismos nacionais, estes procedem sempre bem. Geralmente, os visados contestam sempre o seu trabalho. Porque será? Acho muito bem que o Governo actue de uma forma decisiva e que acabe com estas merdas todas.

Excerto do acórdão : 'apenas com o resultado da análise o arguido não podia ser punido! é necessário que o acusador alegue e prove que o arguido voluntária ministrou ou de qualquer outra forma voluntária introduziu no seu organismo a substância que veio a verificar-se estar no seu corpo.significa, pois, que a acusação não continha o facto fundamental para que pudesse ser imputada ao arguido a infracção disciplinar em causa – a ingestão de substância dopante que foi encontrada no seu líquido orgânico, ingestão essa que teria que ter sido realizada de forma voluntária, livre e consciente!sem a alegação de tal facto não pode imputar-se qualquer infracção!consequentemente a acusação era nula pois não continha os factos constitutivos da infracção imputada ao arguido, ora recorrente.'
(via boronha)
Mais

segunda-feira, julho 17, 2006

Febra à Sururex com molho à T-ruru

Na sequência de uma derrota da equipa por que torcia, fiz uma rapsódia de posts ligeiros que cascavam naquele que, aos meus olhos, havia sido o maior responsável pelo desaire.

Ao contrário dos posts, a reacção a eles foi tudo menos ligeira. Caiu o Carmo e a Trindade. A vaca sagrada não podia ser sequer ordenhada, quanto mais feita em picadinho!

Aí, reagi eu à reacção. Reafirmei a minha opinião, fundamentei-a como pude, e dei provas da minha convicção arriscando uma previsão que era um corolário lógico do meu diagnóstico, ao mesmo tempo que desafiei os meus ferozes contestatários para uma aposta onde pudessem demonstrar toda a confiança que quisessem no bestial que eu chicoteei como besta.

A ideia era responsabilizar os opinadores, dar consequências à sua opinião, tabelar vitupérios que assim deixariam de ser gratuitos.

Aparentemente, a desvantagem era minha, pois o meu parecer era o mais estulto, mas mesmo assim tardaram em aparecer os encolhoados valentes que me fizessem engolir os disparates que ofendiam a sua inteligência. Lá apareceram dois honrados (dos desonrados não vou falar) cavalheiros que, embora não tivessem observado com rigor o caderno de encargos, souberam reconhecer com honra a sua derrota: T-Rex e Sururu foram os vencidos que mereceram o prémio de consolação que balofamente clausulei.

Isto deveria aumentar a minha cotação na Bolsa de Opiniões deste blog, mas apenas me valeu uma mão-cheia de euros (30 de Sururu + 25 de T-Rex) que me comprometi a queimar em carvão para as habituais febras de segunda-feira. Era isso que aqui vinha fazer: servir a febra apregoada.

Não deixa de ser irónico que isto aconteça precisamente a seguir ao post em que a Streaker invoca justa causa para rescindir com o o BnR B e ir a custo zero para um blog que será nota dez. Lamento a decisão. Parece que o BnR B é mesmo um blog tão mau, tão mau, que nem os seus membros gostam dele. De certeza que não dá para voltar atrás?

Bom, aproveitem enquanto o You Tube não censura o vídeo. Quem não vir agora não sabe o que perde.


PS – Depois de ter perdido a paciência tentando alojar o vídeo no metacafe e no metapurezanocu, dou-me por vencido. Enviarei o vídeo a quem mo solicitar por mail. Não deixem o mail nos comentários, enviem-me mesmo uma mensagem a que possa fazer o reply.

domingo, julho 16, 2006

Bolas na Rede


Querido BP, precisas da minha rede para apanhar a tal febra?

Mais uma vez se prova que substituir a ponta da lança não é assim tão fácil...

Portem-se bem meninos.

sexta-feira, julho 14, 2006

Enquanto a febra está a grelhar...

O elo mais fraco

Passados os dias suficientes para que as bílis de todos se tenham acalmado e antes de voltarmos ao alegre ramerrão de nos mandarmos bardamerda a propósito dos bardamerdas do costume, venho, por intermédio desta, exprimir sucintamente a minha opinião final acerca do Junho-Julho de Portugal, esse conceito cromaticamente "desvantajado" que é a hiper expressão de um lugar no qual só onze (ou vinte e três, se quiserem) marmelos com um equipamento horrível são capazes de suscitar uma retórica nada alegre (bem de acordo com a cor local do/s costume/s) acerca de "belíssimos" princípios como o "amor à pátria", a "denúncia dos invejosos" ou o " repúdio da calúnia daqueles que são melhores do que os seus critícos".
Escusado será dizer que são vários os aspectos bizarros da tropa fandanga que compõe o coro deste tribunal: sendo, em grande parte, transversal (clubistica e politicamente), o que os une é o alinhamento pró selecção (ou pró-seleccionador?) e o pretexto para cascarem nas vozes dissonantes, recorrendo a insultos, a reinvidicações de superioridade analítica e a acusações de baixas motivações ou sentimentos. Já lá iremos, primeiro vamos ao que importa.
A prestação portuguesa no mundial superou, julgo eu, as expectativas de todos, ou da maioria. Creio sinceramente que todos teríamos assinado por baixo se, antes do início da prova, alguém nos perguntasse "Ficarão contentes com este percurso se lá chegarem?" Estamos (principalmente os mais velhos) tão habituados às desilusões (no futebol e noutros âmbitos) que nos pareceria bem porreiro. A mim continua a parecer um resultado digno de registo, com a vantagem que permanecerá assim durante muitos anos, senão para sempre. Não se trata, portanto, do resultado em si, mas dos seus factores periféricos: o modo como foi obtido, as condicionantes que o ditaram, esse género de coisa. É aqui que os porcos torcem o rabo; há quem diga "semos os maiores, brazuca faz-me um filho, fomos roubados, maldita Fifa". Outros pensam, "muito chavasco para nicles porque, à posteriori (sublinhe-se) acabou por ser melhor que a soma das partes". Perfilho esta opinião. A meu ver fomos de serviços minímos em serviços minímos (com muito de criticável entrementes) até quinarmos quando mais importava que nos superássemos. Não fizemos nada que não tivéssemos já feito. Quando chegou o momento de superação, falhámos. Não ganhámos aos franceses (desde 1975 que isso não acontece), nem imitámos os turcos (que - caso único - bateram os anfitriões na final de consolação). Até ali ganhámos sem impressionar ninguém na fase de grupos (ao contrário do que aconteceu em 1966) e adquirimos - justificadamente - um capital de desprezo global (que se vem adicionar àquele de que já gozamos, por razões extrafutebolistícas, desde o tempo de António de Oliveira adereçodecozinha e, no relvado, desde o "não era penalty!" que o putativo protagonista do anúncio da pasta medicinal Couto cometeu em 2000). Estivemos mais de 3 jogos e meio sem marcar um golo e fomos os únicos estúpidos a fazer anti jogo ao ponto de nos prejudicarmos NO campo (para quem tiver pachorra de ir rever os jogos, é favor contarem a quantidade de mergulhos que, com um minímo de tomates para ficar em pé, teriam rendido, pelo menos jogadas perigosas; os dedos das duas mãos são capazes de não chegar). Superámos, portanto, as Filipinas (ou as Joaninas, para os patriotas do meu mui castanho escroto) como pátria católica da auto flagelação.
Pergunto-me como é que os bandeirinhas no popó reagiriam a esta história da conspiração mundial anti-Lusa se não houvesse:
a) um estrangeiro no banco.
b) uma campanha de chorice feita por bodes nos pasquins para expiar as culpas dos cretinos dos mergulhadores.
Quer-me parecer que o denominador comum voltaria a tona (para evocar a imagem do início da simpática melodia de music hall carbonário que foi recentemente objecto de covering por esse Leal patriota, Roberto, coisa que lhe faltava para ingressar finalmente na classificação dos discos mais vendidos), e os nossos heróis voltariam a ficar com a mona do costume, sublimando o saudosismo à moda de 2002, com comportamentos equinos na estrada (apesar quererem cancelar a memória histórica dos seus paizinhos a andarem de burro), inépcia escolar com fartura, falta de cultura civíca traduzida em evasão fiscal, laxismo profissional, niveís supra europeus de violência doméstica e de analfabetismo funcional.
Sejamos claros: O brazuca é o menor dos problemas. O seu respeitável currículo (um mundial, um campeonato sul americano, duas Libertadores, entre outras coisas) fazia esperar mais. Falhou uma vez (em casa), na segunda hipótese (que aqui se dá a toda a gente, principalmente quando o guito não é nosso) fez o que pôde (que foi pouco, pois nem foi capaz de fazer perceber à rapaziada que só os italianos é que podem safar-se com a deslealdade metodológica). Por mim (que, repito, largo papel para ver os quinas desde '76), já ia. "Mas não, ó sexta chaga de Cristo, é exigir muito do senhor, que nos deu pretexto para ripar durante um mês, beber como o caraças ('tá calor, pá) e marimbarmo-nos na bófia para andar para aí a gastar gota e buzinar como se fosse hora de ponta. Ainda não sabemos quais são os sete castelos, nem onde estão os trinta dinheiros, mas porra, pelo menos, isto ficou tudo colorido com as cores dos Camarões".
A falange dos seus "patróticos" admiradores quer que o grosso fique. São vocês o título deste post.

Heinze

Se tivesse jogado no Benfica e andasse nas bocas do mundo, havia de ser bonito...

Não consigo parar...

... de ouvir isto.

(Ou o 14 de Julho revisitado: Liberté, Egalité et... Zidane, il a frappé)

terça-feira, julho 11, 2006

Blackjack (21)

A “discussão Scolari” está-se a revelar uma verdadeira epopeia. Chegou-se a um ponto em que parece que a questão central em torno da selecção nacional é o próprio seleccionador. Deixou de interessar se o Pauleta fez bem em rematar em vez de passar, se o centro de Simão foi demasiado largo, se o Ronaldo fez duas fintas a mais, se o Deco é inconsequente, se o Ricardo teve uma saída em falso, ou se o ar cabisbaixo com que o Costinha encara o hino é ou não um sinal de quem tem a sensação que vai fazer merda. Também deixou de fazer sentido questionar a competência da besta agarrada ao trono. Não, o que interessa é se o peido do Scolari foi largado na altura certa ou se a palmada nas costas do Nuno Gomes foi dada com a força adequada.
Os argumentos utilizados pelos dois partidos, pró e anti-scolari, foram caindo com grande intensidade, a um ritmo frenético. Uns dizem que é um óptimo condutor de homens, outros defendem que nem carta tem. Se alguém vomita que é burro e teimoso, logo vem o vizinho contrapor que tem personalidade forte. Se canta o hino é porque é falso, se reza é porque é incompetente, se arrisca a mudar a mudar a táctica logo salta um erudito da bancada disposto a demonstrar por a+b que a substituição de c por d teria tornado o jogo e mais adequado às características f do avançado g nas condições h.
Em geral, tudo foi posto em causa, desde o local do estágio até à substituição tardia do Pauleta. Os se's foram-se sucedendo. Tácticas milagrosas surgiram em catadupa, vindas de todos os pontos do país. Até Mourinho se rendeu e não conseguiu evitar falar do homem. Falam, falam, falam, e ele na volta manda-os foder.

Vai uma partidinha de blackjack?



E agora? Mandam vir uma nova car(t)a?

O factor F

O Antão tem dissertado aqui e ali sobre aquilo a que ele chama o factor J. Hoje gostava de vos falar sobre aquilo a que chamo eu o factor F.

Não tenho isto muito bem estudado, mas o factor F parece ser uma característica de avançados que não são consensuais. Se, para muitos, eles são grandes jogadores, para outros tantos essa adjectivação merece reservas. Seja como for, sabemos que um jogador tem factor F quando damos por nós a murmurar: «Foda-se, o sacana fê-lo de novo!» O F, no entanto, não vem do palavrão, mas sim de «fenómeno».

O brasileiro Ronaldo que vimos neste Mundial – não aquele que durante muitos anos foi apelidado precisamente de Fenómeno – só recentemente adquiriu o factor F. É que é preciso não ser consensual para se ter factor F. Se dantes ele era um craque que reunia unanimidades, hoje há quem ache que é um gordo, há quem ache que não corre, há quem ache que está acabado, e há quem murmure «foda-ses» sempre que o sacana torna a meter a batata lá dentro como só os fenómenos podem fazer.

Em Portugal também temos jogadores com estas características: Liedson, por exemplo, tem factor F. Mas o rei do factor F, para mim, é Mário Jardel.

Há muito tempo que não o vejo jogar, não sei se estará recuperado dos problemas que o desgraçaram, não sei se Augusto Inácio não perderá as estribeiras com o comportamento irresponsável daquela criança crescida, não sei se jogar no Beira-Mar é o mesmo que jogar no FC Porto ou no Sporting, só sei que não ficarei surpreendido se escutar muitos «foda-ses» à minha volta sempre que o cabeção fizer balançar as redes daquela maneira impressionante.

Não estou a dizer que é o que vai acontecer, estou só a dizer que não ficarei surpreendido se, em Janeiro, um dos melhores artilheiros da primeira metade do campeonato concretizar finalmente aquele seu confessado desejo que deve ser neste momento a única coisa que o faz correr. Até porque, nessa altura, o Zé da Luz já deve estar pelos cabelos com Marcel, o engenheiro já se deve ter queixado de que o plantel é curto, Veiga já poderá ter perdido influência, e as debilitadas finanças encarnadas não devem ser capazes de encontrar um avançado de jeito que ainda possa jogar nas competições europeias. Será «foda-se» atrás de «foda-se».

segunda-feira, julho 10, 2006

Para o que eu haveria de estar guardado

Aqui há uns anos, ainda os estádios tinham todos vedações, lembro-me de ter visto umas imagens em que uma claque arruaceira (não interessa qual, são todas iguais), indignada com algo que se passava no relvado, ameaçava invadir o tapete verde, forçando as grades com tanta força quanta era a sua raiva, ao mesmo tempo que insultava tudo e todos, nomeadamente quem de si estava mais perto: os polícias que do outro lado tentavam serenar os ânimos.

O engraçado da situação surgiu quando, surpreendentemente, a grade cedeu e no mesmo momento deixou de cumprir a função de separar a enfurecida claque dos cassetetes e dos pastores-alemães da força policial. Surpreendentemente outra vez, a cólera da multidão, que já não tinha barreiras que a travassem, deu lugar a uma retirada estratégica, ao mesmo tempo que a máscara de raiva da carantonha daquela gente ganhou traços de puro e inesperado pânico.

Foi destes heróis de 31-de-boca que me lembrei quando vi por aqui um paparuco com o nome e o apelido no nick, e foto própria no perfil, a exigir a minha morada para me vir trazer flores a casa.

Paparuco, faz de conta que és o Zidane, imagina que sou o Mata-Ratos, dá-me a cabeçada com que só podes sonhar, e depois retira-te para sempre, enquanto eu gozo o prazer dos que triunfam no fim e os vícios que os prémios de jogo podem comprar. A morada é esta: http://tonaz.altervista.org/zidane.html

Zezezinho Zidane

Scolari, obviamente!

1. Embora tenha andado desaparecido, não deixei de ter opinião. Muito menos de, sempre que pude, ler o que por aqui se escreve. Por isso, e muito mais, não posso deixar de escrever o que defendo: Scolari deve ficar, fez um trabalho soberbo e, apesar da teimosia, já está inscrito como o melhor seleccionador de sempre.
Isto não quer dizer que defenda tudo o que o homem faz. Foi, por exemplo, um disparate não ter convocado o Costinha, o Deco, o Pauleta, o Nuno Gomes, o Nuno Valente e, até, o João Tomás... Foi um disparate, no mesmo sentido, ter levado o Pitosga e o Ricardo Costa.
Mas daí a criticar-se o trabalho que o homem faz e fez... Vice-campeões da Europa, quarto lugar num mundial com oitavos-de-final - sim, porque isso também conta! - e muitos dirigentes que pensam que mandam - e como mandavam! - metidos na ordem. O que é que é preciso mais?
Está bem que há os puristas, os enjoados e os peritos na arte de treinar com as letras. Também há os invejosos, ciumentos e delirantes. Mas, aima de tudo, há um sentimento, minoritário, está claro, de saudade daqueles tempos em que se dizia, e bem, mal do compadrio, da humilhação e do insucesso permanente da selecção das quinas.
Não é nada que não se cure com um anti-ácido - e como se devem ter vendido nas margens de um rio que bem conheço...-. Ou, na pior das hipóteses, com um inibidor de protões, tipo Zurcal.
2. Zidane despediu-se do futebol à cabeçada. Antes da marrada no peito da besta, sorriu-lhe e virou-lhe as costas. O homem balbuciou três ou quatro dislates, o génio virou-se e deu-lhe no centro dos peitos. Será que alguém, com dois dedos de testa, pode criticar o artista?
3. Que, aliás, me lembrou o malogrado Zé Cardoso Pires. Este, também génio em várias artes, quando marrava era no centro da testa, com força e sem balanço. Não hesitava e deixava o adversário sem reacção durante largos minutos. Fumava desalmadamente, como Zizou, e fazia arte com as mãos - as mesmas que usava para decilitrar Famous Gouse no 10 A. O génio francês, que foi rejeitado pela selecção argelina - onde brilhou o tio -, faz arte com os pés e passou a fazê-la com a cabeça. Falta responder, na mesma moeda, a Le Pen. A não ser que a sua tatuagem estivesse nos peitos da besta...
4. As eleições da liga estão a caminho. Prometi, se conseguisse, anunciar o candidato do regime. Tudo leva a crer que o nome seja o que é apontado pela generalidade da comunicação social. A não ser que...

O Efeito Scolari


Tenho assistido nestes últimos dias ao verdadeiro festival que têm sido os posts do Boloposte sobre Scolari e as reacções deste pessoal que aqui anda e nos faz continuar sempre a levantar a polémica, porque afinal se não fôr assim, isto enquanto o campeonato não começa fica mesmo muito morto.

Este post tem vindo a tomar forma sempre na mente à medida que os dias foram passando e lendo tudo o que por aqui e por todo o lado se escreveu, resolvi ainda esperar mais um dia após a derrota com anfitriões no jogo dos "loosers" para ser o menos influenciado possível, depois tive que esperar mais um bocado para digerir a triste figura portuguesita a ovacionar uma cambada de malucos que parecem mais uma seita marada daquelas em que se suicidam todos no fim, que uma equipa de futebol, jactos de vermelho e verde à chegada do aeroporto, cortejo, Estádio Nacional, discursos, gritos de campeões, histeria colectiva, há aqui algo que não bate certo, estão a festejar o quê? Já no dia da derrota com a França andavam umas boas dezenas no Marquês de Pombal a buzinar e celebrar algo que também não percebi... Mas afinal o que aconteceu? A Fifa nomeou-nos campeões do Mundo por decreto? É que se se referem a vencedores, esses vestem de azul e ontem acabaram de ganhar esse epíteto pela quarta vez na história.
Portugal continua a estar como estava antes de partir para a Alemanha e também antes de Scolari voltar.
Mais, nem da quebra de um record ou de um feito inédito se pode falar, porque em 1966 foi melhor, alguém me explique o que andaram a festejar porque eu não percebo.
E já agora, antes de tentarem vir com explicações bacocas sobre o assunto, deixo-vos um exercício de imaginação, como este séquito de seguidores de Scolari junta membros de todas as cores, não se esqueçam da próxima vez que Sporting, Benfica ou Porto ficarem em 4º lugar no campeonato, ou forem eliminados nas meias finais da taça, de virem para a rua feitos doidos a buzinar, com bandeiras e cachecóis do vosso clube a enfeitar o carro e a ir esperar os jogadores para lhes dar vivas, porque só dessa forma serão coerentes com a defesa do que se passou no País ontem...

Quando Portugal passou os grupos, escrevi que metia a viola no saco porque o que interessava eram os resultados, isto porque nunca acreditei que Portugal passásse dos grupos, agora antes de me chamarem nomes e incoerente, percebam uma coisa, eu não tinha falta de fé na equipa e nos jogadores, apenas pensei que com Scolari não dava mesmo, a partir daí e perante as minhas expectativas, este Mundial para mim já era só lucro, chegassem onde chegassem, por isso, esta é a minha opinião e considero que dentro do que seria possivel fazer com Scolari foi excelente.

Agora, o que custa à "Igreja de Scolari e dos Caravaggios dos últimos dias" é perceber que há pessoas que não partilham de tão baixas expectativas, nem se deixam levar por histerias colectivas.
Portugal tinha equipa para pelo menos chegar à final, não chegou por pura inépcia de seu treinador, é tão simples como isso.
Portugal, jogou mal que se fartou, não é que os outros também tenham jogado muito bem, mas isso ainda mais me ajuda.
A única coisa que Portugal ganhou com este quarto lugar foi má imagem... Portugal acaba de perder um estigma, que lhe dava a fama de Brasil da Europa, uma equipa que jogava com arte e bonito mas perdia sempre nos momentos chave, para ganhar outro de equipa de mergulhadores, selvagens, caceteiros, batoteiros, etc MAS QUE NOS MOMENTOS CHAVE... perde na mesma.
Não há volta a dar-lhe. Esta é a realidade, claro que as criticas da imprensa estrangeira são só para chatear, é só inveja porque chegámos mais longe que eles, Portugal fartou-se de jogar à bola e toda a gente viu o espanto de futebol que apresentaram e como ganharam categoricamente os jogos... Maldosos estes gajos que até conseguem fazer com que um dos mais amados e populares jovens futebolistas da Europa passe a ser assobiado por toda a gente no estádio, seja contra quem fôr o público, ele realmente nunca tentou mergulhar, só para aí uns dez por jogo, mas isso não há problema, porque afinal ningúem lhe diz parar com a palhaçada, por isso o Mister Messias deve estar contente...
Quem não percebe que esta equipa de facto é 100 % de transpiração e 0% de arte e engenho, não gosta de futebol, não acredito que alguém veja o minimo de futebol na equipa de Scolari...
O Benfica campeão de "Trapalhini" jogava melhor que isto e eram mais que muitas as queixas e criticas.
Viu-se Portugal em situações aberrantes neste mundial, como por exemplo o amigo Rooney tentar que Ricardo Carvalho não gerasse mais descendência, e na altura em que se fica a jogar contra 10 tirar o ponta de lança e reforçar o meio campo, mais lindo ainda foi repetir a façanha a jogar contra a França, mas desta vez ainda na mais cómoda situação de estar a perder por 1-0...
Foi delicioso...
E nem me vou referir aos erros de casting, sejam os que cá ficaram sejam os que foram cometidos já em campo com os que foram...
A quem aqui tão eruditamente escreve, e esta tenho que dizer que é das minhas teorias favoritas e já a ouvi e li noutros lados, que as pessoas só criticam porque não percebem que Scolari criou um novo conceito de selecção que se chama o "Clube selecção", Scolari não gere a nacional como uma selecçao normal, tornou-a num clube com os jogadores escolhidos por ele...
Meus amigos, vocês concordam mesmo com isso? Será que o conceito de selecção nacional ser a escolha dos melhores jogadores para cada posição se esfuma assim? E já agora, que dividendos se tira disso? Volto a dizer, Portugal está em termos de titulos igual ao que estava antes de Scolari vir.
E poupem-me à estória do "agora qualificamo-nos sem calculadora...", essa é outra teoria só porque sim, Portugal qualificou-se para o Euro 84 e Mundial 86, tendo depois um hiato de dez anos, voltou a um Europeu em 96, falhou o apuramento para 98 porque não era cabeça de série e apanhou a Alemanha (edit, obrigado aos que corrigiram) no grupo, foi ao Euro 2000 chegando às meias, conquistou estatuto de cabeça de série para os sorteios do Mundial de 2002, fez merda da grossa quando lá chegou, sem dúvida, mas tudo isto foi atingido sem Scolari, Portugal tem vindo a evoluir sempre nos ultimos 10 anos em termos de selecção, mas isso tem pouca quota parte do Messias, não teve que fazer qualificação para o Euro 2004, jogou a final em casa e conseguiu perdê-la para um País ainda mais periférico que nós, sendo que no processo foi comido duas vezes da mesma forma, sendo que essa equipa depois nem conseguiu qualificar-se para o Mundial. Entretanto e mais uma vez cabeça de série, fica com um grupo de apuramento patetico para o Mundial, mas ainda conseguiu esses feitos incriveis de empatar com o Liechenstein e festeja um empate na Eslováquia como se de grande feito se tratasse...
Scolari bateu todos os records, pois claro que sim, a quantos foi permitido la estar tanto tempo como ele, mesmo sem ganhar nada? Humberto também foi às meias do Euro, foi corrido...
Scolari tem as melhores condições que qualquer outro seleccionador teve e ainda por cima 100% de tolerância, mas no entanto, continuamos sem ganhar nada e a falhar onde não podemos falhar, por isso expliquem-me lá a adoração de forma que eu perceba... Doutrinem-me, porque eu estou a pecar...

E sim, respondendo a um comentário que li, eu sou daqueles que acha que o 2º é o primeiro dos últimos, já bem me basta ter o presidente do meu clube a dizer que o 2º se calhar é melhor que o 1º porque dá as mesmas regalias e não se pagam prémios...
Se calhar deviam mudar o nome da seita, para Seita do Pipinho...

Agora malhem à vontade...

Obrigado por lerem o testamento...

domingo, julho 09, 2006

Arghhhh!!!

O jogo da final do mundial foi o espelho perfeito daquilo que se passou no último mês: futebol medroso e merdoso. O 1º minuto, após a assistência a Henry, foi apenas o princípio de uma seca brutal, apenas quebrada ao minuto 7 pelo penalty "à la Postiga" (não , não conheço o Panenka de lado nenhum) de Zidane e ao minuto 110 pela cabeçada "à la Jardel" do mesmo jogador. Por isso, para mim, o argelino leva o prémio de "melhor em campo".
Não venham os entendidos de futebol dizer que este jogo foi rico tacticamente. Os jogos "ricos tacticamente" são assim apelidados quando existem expectativas elevadas que saem goradas. Normalmente dão em empate. Foi o que se passou hoje. Ou alguém se lembra de um bom contra-ataque ou de uma jogada bem planeada?

p.s. - Na imagem, em cima, podem ver, em pé, o melhor jogador do campeonato do mundo. Sim, é um defesa-central.

Só tenho pena que os porcos que incham
não me encham o porco


Rebeubéu, blablablá, ah, e tal, falam, falam, falam, mas não os vejo a fazer nada.
Não têm colhões, não têm convicção no que dizem, a menos, claro, que seja para insultar aqui o je: aí já são uns heróis que fazem e acontecem.
Queridos bácoros (a mensagem é só para eles, eles sabem quem são, tranquilizem-se os incautos leitores), depois deste episódio, as bacoradas que possam dizer a meu respeito valem zero. É que se nem vocês acreditam no que dizem, não sou eu que vou perder tempo a rebater ninharias. Que não se interprete, pois, como falta de argumentos da minha parte o facto de eu passar a deixar-vos a falar sozinhos. Será desprezo puro. Que se foda a interactividade e vocês com ela. Vozes de burro deixarão de se fazer ouvir no céu.
Os honrados e os que se quiserem retractar têm como engordar o porco de onde saem as febras:
003500540012125740008
CGD

PS – Insurrecto (em castelhano: en su recto, que é onde pode meter os mimos que me dispensa), quanto vale em euros o post que me prometeste, juros de mora incluídos?

sexta-feira, julho 07, 2006

A verdade é esta:


Esta deliciosa definição de Scolari que o T-Rex encontrou num comentário de um blog brasileiro resume tudo o que eu acho do treinador que ele é.

Scolari só conhece um caminho para o seu destino: o atalho mais longo. Quem conhece alternativas mais simples perde a calma com um taxista destes.

Para comer, Scolari usa o garfo. Se o adversário é arroz, o garfo resulta. E quem diz arroz, diz batatas ou feijão. O garfo vai servindo. Passada a fase dos pratos simples, entra-se numa fase de pratos mais sofisticados. Uma vichyssoise, por exemplo. O que faz Scolari perante um prato destes? Usa o garfo, porque se deu bem usando o garfo até aí. Depois de 70 minutos a tentar comer a sopa com o garfo sem conseguir matar a fome, Scolari percebe que está na altura de tentar algo diferente. O que faz ele? Substitui o garfo por... outro garfo.

Quem está a ver e à espera que o molengão coma a sopa toda para ir para a festa... fica com os cabelos em pé. Das duas, uma: ou acontece o óbvio, a sopa nunca mais é comida, e não há festa para ninguém; ou o homem lá come a sopa no dobro do tempo, chegamos à festa atrasados e vamos a discutir o caminho todo.

Exaspero a ver um jogo de Scolari, não aguento tanta idiotice junta. Acho giro que me venham tentar esfregar na cara os resultados do Casmurrão à frente de selecção. São parecidíssimos com os de Peseiro à frente do Sporting: "quase ganhámos, só perdemos por causa do árbitro." Com a diferença que uns tinham graça... e outros não têm graça nenhuma.

Aos cretinos que me dizem que eu devia estar grato a Scolari, só queria dizer o seguinte: vocês parecem um utente de saúde grato a um ministro que o tirou do 213476248.º lugar de uma lista de espera para um 112365137.º lugar. Não marquem nada para os próximos 40 anos, vocês são já a seguir.

PS – Embora Bimbo também lhe assentasse bem, vou passar a chamar-lhe Felipão-de-Forma.

Aguaceiro dos Açores!

quinta-feira, julho 06, 2006

Vamos lá ver quem tem colhões

Parece que vivo num país que não me deixa criticar a merda de seleccionador que tenho. Repito para mim, baixinho, que quem diz a verdade não merece castigo, ao mesmo tempo que tento desviar-me das pedradas que me têm como alvo. Convicto do que digo, sou suficientemente filho-da-puta para desejar que os calhaus que me lançam façam ricochete e partam os dentes a quem quis ver de que cor sou eu por dentro.

Eu não me acho o máximo nem tenho a mania de que eu é que sei. Sinceramente, não há nada de genial em olhar para um céu cinzento de tão carregado de nuvens e calcular que vai chover não tarda nada, pois não? Mas sou capaz de me passar da marmita quando olham para o mesmo céu que eu e me acusam de ser um pessimista, e que eu não sei o que é chover, e que no ano passado é que choveu a sério, e que até vai estar um lindo dia de praia.

O futebol não é uma ciência exacta, não é novidade para ninguém que há muitos factores que podem defraudar uma previsão séria. O dia pode abrir, e aquele céu cinzento pode realmente dar lugar a um bom dia de praia. Tudo bem. Mas não é sempre, pois não? Nem sequer é na maior parte das vezes.

Tenho para mim que Scolari tem muitas virtudes, mas naquela parte para que foi contratado, de treinar uma equipa de futebol, é estupidamente fraquinho. Não é teimoso, é burro. Não é científico, é supersticioso. É a minha opinião, tenham paciência, tenho direito a ela. E admito opiniões contrárias, da mesma forma que admito que se possa ser do Sporting quando se pode
ser do Benfica, da mesma forma que admito que se ache a Maria Rueff mais bonita que a Maria Sharapova: com perplexidade.

Para que não fique cada um na sua, a trocar confortavelmente insultos, vamos lá dar consequências à nossa opinião.

Aos meus olhos, o burro do Scolari tem uma equipa destroçada animicamente. Como ele é um grande psicólogo, não há o mínimo problema em motivar o grupo para o jogo do 3.º lugar. Mas a equipa não pode com uma gata pelo rabo, e, por mais que queira, não tem pernas. Como, para além de não ter pernas, não tem uma organização inteligente, e como Scolari vai apostar nos mesmos desgastados intérpretes, e como a alteração forçada ainda piora o cenário, eu nem preciso de olhar para a Alemanha para perceber no que é que isto vai dar: ficamos em 4.º
Como não reconheço ao Casmurrão argúcia para, a partir do banco, alterar o rumo dos acontecimentos, prevejo mesmo que percamos o jogo em 90 minutos.

E daqui desafio os scolaristas, aqueles que acham que a aventesma é um grande treinador de futebol, a apostarem comigo que será diferente.

Quem quiser fazer-me engolir estas palavras deve fazer o seguinte:
1) escolher um blog idóneo com alguns anos de blogosfera, tipo Megafone ou 4x4x2, em quem confie, que se disponibilize a mediar este conflito.
2) entregar a esse blog a quantia que quiser apostar contra a minha previsão, ou melhor: apostar na vitória de Scolari.
3) Pedir a esse blog que me notifique de que recebeu determinada quantia da sua parte, para que eu possa entregar igual valor ao mesmo blog, blog esse que se encarregará de canalizar o "bolo" ao vencedor no final da partida.

Sejam meiguinhos nos montantes, para eu poder aceitar o maior número de desafiadores.

Para facilitar a coisa, só valem os 90 minutos regulamentares, porque eu acho que a Alemanha não precisa de mais que isso para derrotar Scolari (se fosse contra Portugal, a coisa fiava mais fino). O empate anula a aposta.

Vá, quem é que tem tomates? Quem é que aposta cegamente no calhau-de-bigode? Quem é que gostava muito de se rir à minha conta? Duvido que alguém aceite, nem nos desenhos animados há personagens tão ingénuas, mas prometo canalizar a verba assim ganha para um vídeo de uma febra.

Conquista-a-dor

O jornal A Bola, que cognominou de Magriços a selecção que em 1966 foi a Inglaterra defender as nosssas cores, prosseguiu em 2006 essa sua tradição. Por votação dos leitores, Conquistadores foi o epíteto escolhido. D. Afonso Henriques, primeiro rei de Portugal e primeiro a assim ser cognominado, vai hoje dar voltas no túmulo quando lhe contarem o resultado do jogo.

Déjà-vu

Tal como em 1984, tal como em 2000, Portugal cai numa meia-final aos pés da França. A única diferença foi que das outras vezes o sonho esteve bem mais perto, apesar de esta ter sido a França menos temível que já nos apareceu no caminho.

Already-seen
A figurinha que estamos a fazer culpando o árbitro do desaire é muito parecida com a forma como os ingleses se atiraram a Ronaldo na expulsão de Rooney: patética. O árbitro foi inteligente, Scolari? Lamentavelmente para nós, tu não foste.

No Olimpo do futebol
– Embora gozar com os holandeses, fazendo com que sejam eliminados de novo pelos portugueses?
– Boa, e depois gozamos com os ingleses fazendo com que sejam eliminados outra vez da mesma maneira.
– Mas não achas que isso é gozo a mais para o outro que tem aquele pacto com a outra crença?
– Não te preocupes, depois gozamos com os portugueses fazendo com que sejam de novo eliminados pelos franceses. E de novo com um penalty do Zidane, ihihihih, que dizem?
– Mas já tínhamos gozado com os brasileiros fazendo com que perdessem outra vez com os franceses...
– Deixa lá, pomos a Itália na final, e gozamos com toda a gente que gosta de futebol. Pronto.

Hum... mais um, menos um...


– Sr. Scolari, por que motivo deu a titularidade neste jogo decisivo ao homem-invisível?
– Está falando do Costinha? Veja bem, sempre que a minha equipa joga com um homem a mais, é uma dificuldade tremenda... para nós. O adversário até joga melhor. Aí eu pensei: "Se formos nós a jogar com um a menos, a dificuldade passa para o adversário, e quem jogará melhor seremos nós." Costinha é o nosso homem em pior condição física, eu sei disso, mas porque acha que eu o convoquei para este Mundial?
– Não terá exagerado nessa táctica? Deco, Pauleta e Figo também não se viram...
– É, eu quis ganhar de goleada...

Não aguento outra dose
Gostava de ver Scolari treinar a Inglaterra, só para que percebessem de uma vez por todas o que para mim é evidente. Já imaginaram o delicioso que era eliminar a Inglaterra no próximo Euro com Scolari sentado no banco inglês? Quanto a nós, não sei, talvez a ideia seja estapafúrdia, mas que tal contratarmos um seleccionador que perceba de futebol e que não tenha nenhum sobrinho que permita prescindir de um preparador físico a sério?

Caravaggio errado

Há erros grosseiros na composição. É, claramente, uma fraude. Isto nunca passaria pela cabeça de Caravaggio. Também não sei o que terá passado pela cabeça de Scolari, mas tenho pena de que não tenha sido uma espada.

quarta-feira, julho 05, 2006

Para aliviar a tensão



Uma palavra de solidariedade para com o Alcides que foi raptado recentemente no Brasil. Felizmente tudo terminou favoravelmente, uma vez que o defesa benfiquista já foi libertado pelos raptores. No entanto, dada a gravidade da situação e o trauma que a situação implica, ainda não se sabe se a mãe de Alcides estará apta para o início da pré-época .

Pelos vistos, as muletas não são suficientes*

* by Pé em ®iste

Scolarix



Todos os campeões em título foram afastados da Germânia. Todos? Não, um brasileiro caído na panela da poção mágica do druida Caravaggix resiste ainda e sempre aos detractores.

terça-feira, julho 04, 2006

Já fomos :(


Aqueles que acham que quem nunca jogou futebol não pode perceber de bola têm neste senhor mais um exemplo de que essa é uma experiência que pouco interessa para o caso. Pelé é o maior pé-frio do jogo falado. No que toca a prognósticos, não acerta um. Esta é mais uma contrariedade para a equipa portuguesa. Oxalá não acredite realmente no que disse e se tenha apenas armado em simpático.

segunda-feira, julho 03, 2006

Coerência

«Tenho o prazer de felicitar a Direcção e Conselho de Administração da SAD, pela passagem de mais um Aniversário do Sporting Clube de Portugal. Os meus melhores cumprimentos, com um abraço»lfv 030706

Com dois dias de atraso e com uma linguagem 'provocante' o pateta deu sinal de si. Para ele dois dias ou dois anos...c'est la même chose! Enfim...a temporada da caça de aves já começou!

Fazmumbife

Mais uma análise isenta sobre a prestação da rapaziada.

Ricardo – Uma despedida em beleza. Segundo palavras do próprio: “Quero dedicar a vitória à família, aos amigos e adeus”
Miguel – Igual a si próprio. Nota-se alguma atrapalhação quando encontra companheiros no seu corredor. Já pensaram em abolir a posição de extremo-direito?
Meira – Intransponível desde que Scolari lhe segredou “Se levares 2 amarelos vejo-me obrigado a colocar o Ricardo Costa”
R. Carvalho – Intrasponível desde que Mourinho lhe segredou “Se te lesionas vejo-me obrigado a colocar o Ricardo Costa”
N. Valente – Inspiradíssimo, conseguiu o seu 2º desarme do campeonato. Decisivo, diga-se.
Petit – Mostrou a Costinha como se falha o próximo jogo sem prejudicar a equipa.
Maniche – Ofereceu o prémio “Man of the match” a Heargreaves, em troca de umas dicas sobre como ganhar em Munique.
Tiago – Adiou por uns dias aquele golo em remate rasteiro à entrada da área, ao canto inferior direito (rapaz, não me deixes ficar mal).
Figo – Em nítida contenção de esforços para a semi-final. Com mais uma dose extra de confiança e irá simular uma lesão no início do jogo contra os franceses, poupando-se assim para a final.
C. Ronaldo – Nota-se-lhe no rosto a preocupação com o actual 2º lugar na classificação para melhor jogador jovem. Muito sereno e confiante, não se deixou abalar pelo cartaz de Elton John “Cristty, give me your shirt and i’ll give you my heart”
Pauleta – Boas tabelinhas com Terry e Rio Ferdinand. Quando vestiu o colete melhorou substancialmente a sua exibição.
Simão – 20 + 2 = 22
H.Viana - Entrou para dar esperança aos ingleses, fazendo parte de um plano orquestrado por Scolari para fazer de Ricardo herói mais uma vez.
H. Postiga – Dizem que marcou um penalty, obrigando Robinson a pensar: “Se me mando para um lado, ainda me come outra vez, e faço figura de parvo. O melhor é ficar parado”. E ele ficou, fazendo figura de parvo.

22

É o número mágico para os lados do recreativo! É quanto irão receber pela venda de dois jogadores....afinal sempre são 22 milhões de contos! Claro que falta confirmar isto e aquilo...mas sempre são 22! Ganda negócio!
Back to the world soccer tournament...

domingo, julho 02, 2006

França 1-0 Brasil

Excelente campanha da equipa africana.

Notas soltas sobre...



  • Gelsenkirchen é enclave português.
  • Que se vão lixar aqueles que gostam de vitórias sofridas porque assim são mais saborosas. Tenho um coração fraco e gostava de ver o Mundial até ao fim.
  • Que se vão lixar também aqueles que são antiantiscolari. O homem tem muitos méritos, mas são todos extrafutebol. Em termos técnicos, é um asno com todos os zurros. Como é possível que, jogando uma hora com um homem a mais, se tenha levado o jogo para a lotaria dos penalites? Fé na santa?
  • A equipa tem duas velocidades: ou joga parada ou joga devagarinho. Num clima tipicamente britânico e nos antípodas do de Évora como o da Estufa de Gelsenkirchen, os ingleses, metade do tempo em inferioridade numérica, corriam mais que nós. De quem é a culpa?
  • O resultado do jogo da noite foi o pior que nos poderia ter acontecido. Contra os que pensam que somos o pessoal da bola quadrada, seria mais fácil. Infelizmente para nós, não conhecemos poção mágica contra irredutíveis gauleses. Caso as coisas corram bem, na outra meia-final é torcer pela Alemanha, que os italianos são outros para quem não temos antídoto.
  • Não gosto de Scolari porque me faz mal ao coração. Quando os jogos terminam, nem mesmo a nossa vitória me faz perdoar-lhe o sofrimento. O supersticioso treinador insiste em complicar coisas que não são tão difíceis assim. Acabo os jogos mais indignado do que feliz. Decididamente, não devo ser daqueles gajos para quem o importante é ganhar, não interessa como. Para mim, com trafulhice ou com ajuda divina, não devia valer.


PS – A imagem que aqui estava foi entretanto mudada a pedido do CPáris. Esperamos que goste.

400% chegaram para ir mais longe que os maiores!

http://www.youtube.com/watch?v=T37qWLnf0yA

Vejam o video e percebem o titulo...

E sim,eu sou um gajo que não sabe ganhar... Nem perder...

Parabéns Portugal!!

LABRECA, ESTA É SÓ PARA TI! OBRIGADO!










Já sabemos que provavelmente vem aí frango grande, mas hoje subiste ao Olimpo!